Quando você vai usar aquela roupa?

Nosso guarda roupa pode conter alguns dados reveladores de quem somos. Boa parte das peças que lá se encontram são extensões de nosso corpo e de nossas lembranças.

Quem aqui se identificou com a pergunta?

Quem não soube responder, com certeza?

Não é uma pergunta fácil de responder e nem tampouco estou esperando que você tenha a resposta exata. O que pretendo mesmo é te levar a ampliar a resposta ou quem sabe, refazer a pergunta. Comecei a pensar sobre isso, quando fiz da moda sustentável meu caminho para a desaceleração do consumo de roupas, na compra constante de peças “modinha”.

 

O que?

Não, não sei por quê guardo aquela blusa tão desbotada, quase transparente pelo tempo de uso.
E aquela calça?
A blusa de lã?
E a saia então!

Quem de nós já repetiu frases parecidas?

Nosso guarda roupa pode conter alguns dados reveladores de quem somos. Boa parte das peças que lá se encontram são extensões de nosso corpo e de nossas lembranças. Um olhar suave sobre ele transforma uma arrumação costumeira em uma atividade terapêutica, de lindas descobertas sobre a identidade e as histórias de que somos feitos, em que, muitas vezes, as roupas tiveram uma participação especial.

Acredito que, todas as vezes que me recusei a retirar uma peça do meu guarda roupa, {mesmo sem saber o por quê} desejei reavivar e reviver recordações marcantes de etapas da minha vida, em que ela se fez presente. Quis autenticar as experiências ligadas aos sentidos e aos prazeres e alegrias que me proporcionou, às pessoas que a representaram. Uma roupa ligada a uma lembrança pode provocar um sorriso frouxo, um carinho de mão amiga, uma palavra de conforto ou de encorajamento.

Quando você vai usar aquela roupa?

Aquela roupa talvez não faça mais parte do seu contexto, mas uma parte dela pode continuar a história; afinal de contas, a roupa pode ser vista como extensão do corpo, que ajuda a descobrir quem somos e a revelar nossa individualidade.

denise-se propõe a criação de novos significados na moda autoral sustentável, a partir da desconstrução e reconstrução de peças do vestuário, com resgate de memórias surgidas dos contextos em que as mesmas estiveram presentes e das pessoas que as vestiram, um dia. A marca atua dentro do processo de upcycling, com a criação de peças atemporais, que respeita e valoriza a diversidade dentro da continuidade do ciclo de vida do produto.

Vamos compartilhar ideias e experiências do guarda roupa?

{Denise Padilha}

Denise Padilha

Sou Denise Padilha, formada em Artes Visuais, especialista em Cultura Contemporânea e Marketing, criadora e proprietária da marca denise-se além da moda sustentável, que propõe novos significados, a partir da desconstrução e reconstrução de peças do vestuário, com resgate de memórias surgidas dos contextos que as peças estiveram presentes e das pessoas que as vestiram um dia.